Ju Ferraz: Entenda o que é network e como ele pode impulsionar sua carreira

Assimilar a importância das relações pessoais e alimentá-las é chave para fidelização e construção de contatos duradouros
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Network é uma palavra em inglês utilizada para descrever uma rede de conexão, porém, mais usualmente empregada para simbolizar os contatos profissionais que mantemos e alimentamos.

Você deve saber o que é network, mas talvez não esteja ligando o nome à pessoa. Calma que eu irei explicar o que significa essa expressão que faz parte do nosso dia a dia e que usamos com tanta frequência, na maioria das vezes, sem nem perceber.

Network é uma palavra em inglês utilizada para descrever uma rede de conexão, porém, mais usualmente empregada para simbolizar os contatos profissionais que mantemos e alimentamos.

Um fato curioso, ou nem tanto, é que todo mundo faz networking. Seja em maior ou menor escala, mas faz! E certamente você também, mesmo que não se dê conta disso.

Sempre que me pedem para dar dicas de networking ou contar como construí minha agenda de contatos, eu digo que cada pessoa encontra exatamente o seu caminho, pois não existe uma regra ou fórmula pronta que facilite o processo, ele acontece da forma mais natural possível.

OLHA SÓ: Juliana Ferraz: Nordestina, mãe, executiva e uma mulher livre

Mas se tem uma coisa que eu digo sempre e não me canso de repetir para mim mesma e para os outros, é que não existe uma pessoa jurídica sem uma pessoa física. Então, o nosso foco precisa ser sempre em construir relações verdadeiras e ainda mais próximas com os CPFs, mais do que com CNPJs.

Por mais confuso que possa parecer, após entendermos essa diferença tudo muda, e falo com propriedade, pois também demorei para compreender o que essa relação significava. Isso mudou completamente a minha forma de construir e fortalecer essa de rede de contatos e de relações a longo prazo. 

O meu entendimento sobre isso veio quando uma vez, em uma entrevista, me perguntaram pela primeira vez o que caracterizaria uma boa diretora comercial. Sem pensar muito a resposta me veio de imediato: uma boa diretora comercial ou qualquer pessoa que trabalhe no setor, seja com vendas, com captação de clientes ou relações públicas precisa, antes de tudo, entender que o único caminho para criar essas conexões fiéis e humanizadas, é mantendo e alimentando constantemente a relação com esses contatos, criando um network no longo prazo.

E sendo sincera, não tem muito segredo, pois fazemos isso naturalmente em nossa vida. Somos seres ativos em rede, que se conectam, que se relacionam, que criam conexões a todo o momento. E isso desde sempre: dos homens das cavernas até os astronautas que vão ao espaço, tudo precisa de uma outra ponta da rede, da cadeia interligada e dessa teia emaranhada e próxima para sobreviver.

E isso não é diferente no mundo dos negócios. Se prestarmos bastante atenção, vamos entender que nunca precisamos tanto, como com a chegada da pandemia, construir uma rede sólida para se destacar, principalmente em um mercado que se reinventa continuamente.

Eu, como uma executiva que vive do Live Marketing, consegui proporcionar aproximações estratégicas para o meu trabalho em eventos, talks, premiações e webinars, porém, transformar essa relação frente a flexibilização do trabalho remoto parecia um grande desafio. 

A pandemia, inclusive, foi relativamente positiva em alguns aspectos, como na construção de um networking de sucesso. A comunicação digital proporcionou encontros mais próximos, que são desde um simples comentário em uma live ou até mesmo a participação em outra, como também a interação em um post qualquer que alguém que você queira se aproximar publicou. 

LEIA AQUI: Amanda Gomes: Será que o exercício da liderança é realmente para você?

Seja no marketing, comunicação, área da saúde, moda, ou qualquer outro segmento, se trabalhamos vendendo qualquer produto ou serviço, precisamos de clientes e, acima de tudo, fidelizar os que já temos, e sempre buscar novos para aumentar a nossa base. E para ser um bom vendedor, precisamos nos conectar de fato, vender e provar para o outro que o nosso serviço é melhor do que o do nosso concorrente.

E isso vem principalmente com identificação, com empatia, com foco nas pessoas, no outro e, portanto, nos CPFs, muito mais do que no CNPJ. E se você me perguntar qual é o networking ideal, eu posso te responder em uma frase: é entender que o cuidado com suas relações pessoais é a coisa mais importante que se tem na vida.

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras.

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: