Assine nossa newsletter

Quem foi a fundadora da primeira destilaria adquirida pela Johnnie Walker

Helen Cumming criou a Cardhu durante o período da proibição das destilarias de pequeno porte na Escócia
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
O whisky Cardhu ganhou um caráter equilibrado e suave, com sabor frutado e toques de mel e nozes.

Helen Cumming, ao lado do marido, John, fundou uma das primeiras destilarias comandadas por uma mulher, também a primeira que, tempos depois, foi adquirida pela gigante Johnnie Walker. Na verdade, a destilaria foi comandada por duas mulheres, pois o posto de administradora da Cardhu, nome dado à empresa, passou, em seguida, para a nora do casal, Elizabeth Cumming. 

Foi em 1811 que Helen, com 34 anos, criou, na montanha Mannoch, na Escócia, a destilaria Cardhu. O local escolhido era uma “mina de ouro” para a produção de whisky, já que a turfa, material orgânico de origem vegetal, presente na água do rio Spey, dava um sabor defumado para a bebida.

O whisky Cardhu ganhou, então, um caráter equilibrado e suave, com sabor frutado e toques de mel e nozes.

Enquanto John trabalhava na fazenda, Helen cuidava da casa e, claro, da produção e venda do whisky.  Naquela época, a destilação da bebida em pequeno porte era ilegal no país. Dessa forma, as bebidas produzidas eram vendidas da janela de sua casa na fazenda, sem que as autoridades soubessem, e tinha como principais clientes viajantes que passavam pela região. A empreendedora também andava cerca de 30 quilômetros com garrafas de whisky embaixo das saias para vender a bebida aos moradores dos municípios vizinhos.

OLHA SÓ: Conheça a mulher que começou na edícula de casa a maior empresa do segmento de eventos corporativos do país

Helen tem um papel ainda maior ao falar do período da ilegalidade da produção. Como esposa de um fazendeiro, cozinhar era uma de suas funções. Dessa forma, a destilaria se tornava uma padaria com facilidade. O pão que ela fazia disfarçava o cheiro de fermento gerado com a destilação das bebidas.

Quando os fiscais chegavam à região, Helen os convidava a ficar em sua casa e oferecia pão e chá. Enquanto os agentes comiam, ela saía da casa e estendia uma bandeira vermelha para alertar todos os vizinhos e dar tempo para que eles pudessem esconder suas produções.

John foi condenado três vezes pela produção ilegal da bebida, mas como era Helen quem comandava o negócio, a destilação do whisky nunca parou no período.

Em 1823, a destilação do whisky foi legalizada e, em 1824, veio a licença necessária, o que fez a Cardhu se tornar uma produtora de whisky e uma empresa familiar, oficialmente, já que dois dos filhos do casal, Lewis e James, passaram a desempenhar papéis na destilaria.

Em 1846, John morreu e o filho Lewis assumiu a gerência da fábrica, enquanto Helen seguiu na coordenação de produção da bebida. O negócio continuou em funcionamento dessa forma até 1872, quando Lewis morreu.

Elizabeth, esposa de Lewis, assumiu a empresa da família e Helen continuou ativa no negócio até os 90 anos de idade. Ela morreu aos 98, com oito filhos, 56 netos e um legado que poucas pessoas conseguem.

O historiador Alfred Barnard escreveu o livro Whiskey Encyclopedia, publicado em 1893, no qual descreve Helen como “uma personagem notável e uma mulher de muitos recursos; ela possuía a coragem e a energia de um homem, e tinha dispositivos e planos para escapar dos fiscais. Nenhum homem ou mulher poderia se igualar a ela”.

LEIA AQUI: Elas Que Inspiram: Conheça a história de Natalia Martins, a empresária que lucra trabalhando de pijamas

Os negócios não pararam com a morte de Helen. Na década de 1880, Elizabeth decidiu trabalhar na expansão da empresa e vendeu os antigos alambiques para William Grant, que logo em seguida montou sua nova destilaria, Glenfiddich.

Enquanto Elizabeth comandava a destilaria, a produção aumentou de 240 para 500 galões por semana. Com suas ideias de expansão e ampliação do negócio, a produção passou para 1680 galões logo na sequência.

Alfred Barnard também elogiou o trabalho de Elizabeth ao dizer que “como contadora e correspondente, a Sra. Cumming não tem, em seu próprio sexo, uma igual neste país”.

Em 1893, Elizabeth vendeu a Cardhu com a condição de que o negócio continuasse a ser comandado pela família. Dessa forma, seu filho, John Cumming, foi nomeado diretor da empresa e a destilaria Cardhu se tornou a primeira a ser comprada pela John Walker & Sons.

Elizabeth Cumming, nora de Helen Cumming

Durante a Segunda Guerra Mundial, a destilaria foi fechada. Após o período turbulento, o whisky Cardhu passou a ter a maior parte da produção destinada a atender os whiskies Johnnie Walker e se tornou a casa do blend.

O whisky Cardhu ainda é um dos principais itens dos blended scotch whiskies (whisky escocês misturado) da Johnnie Walker. Além disso, a destilaria também é aberta ao público que deseja conhecer o processo de produção, de armazenamento e, claro, o produto em si.

VEJA MAIS: Elas Que Inspiram: Conheça a história da empresária que transformou sua maior fragilidade em negócio

Atualmente, a Cardhu produz cinco rótulos da bebida: 12, 15 e 18 anos, Gold Reserve e Amber Rock. Tem ainda produção de edições limitadas, como a dedicada à série Game of Thrones.

No Brasil, o único rótulo vendido é o whisky Cardhu 12 anos, que tem um sabor mais suave e frutado, e pode variar de R$ 299 a R$ 431,89, em garrafas de 750ml ou 1 litro.

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter