Assine nossa newsletter

G10 Favelas inaugura escritório de negócios para impulsionar economia nas comunidades do Brasil

Startup Academia de Revendedoras está entre os projetos do hub e tem como meta oferecer treinamento em vendas, educação financeira e marketing digital
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Evento de inauguração do Academia de Revendedoras. (Foto: Divulgação)

O G10 Favelas, iniciativa de empreendedores de impacto social e líderes de comunidades brasileiras, inaugurou ontem (2) um escritório de negócios e inovação em Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo. O objetivo é impulsionar a economia das favelas, com foco em empreendedorismo e geração de renda. Ao todo, serão dez iniciativas beneficiadas e a ideia é que o grupo abra escritórios em oito estados diferentes do Brasil.

Em entrevista à Elas que Lucrem, Gilson Rodrigues, presidente do G10 Favelas, explica que as favelas movimentam anualmente R$ 168 bilhões no país e o potencial consumidor é muito alto. “O nosso hub é um conjunto de iniciativas que visa fomentar a economia das favelas do Brasil. Nós estamos atuando em áreas que, mesmo com a pandemia da Covid-19, tem crescido, como logística, moda, beleza e alimentação. Além de oferecer credito à população, também vamos oferecer cursos, mentoria e condições para que seja possível prosperar com o empreendedorismo. A melhor forma de ajudar o Brasil nesse momento, é ajudando a população a empreender, colocando dinheiro no bolso, porque as favelas não querem fazer parte do problema, mas sim da solução”, diz.

OLHA SÓ: Mulheres de Paraisópolis estão na linha de frente na transformação social da comunidade

Gilson também é CEO do G10 Bank de Paraisópolis, que está entre as dez iniciativas ligadas ao escritório de negócio, e é um modelo que oferece crédito de R$ 1 mil a R$ 15 mil para pequenos empreendedores, cobrando taxa de juros de 0,99% ao mês.

Outra iniciativa do escritório de negócios é o Emprega Comunidades, plataforma gratuita que ficou conhecida como “LinkedIn das Favelas”. O objetivo é intermediar a relação entre contratantes e candidatos em Paraisópolis.

Academia de Revendedoras

Um outro projeto no hub de Paraisópolis é a Academia de Revendedoras, uma startup que tem como meta oferecer treinamento e estrutura para que mulheres possam encontrar caminhos para gerar a própria renda na área de vendas.

A primeira turma recebeu 30 mulheres moradoras de Paraisópolis e com perfil empreendedor, para participar do treinamento em vendas, com educação financeira, marketing e uso das ferramentas digitais.

A iniciativa buscou grandes empresas de consumo como parceiras desse modelo de negócios, principalmente com produtos que tenham apelo para vendas. Hershey, Hering e Embeleze são as primeiras marcas que apostaram nessas novas revendedoras. “Queremos alcançar mulheres que tenham o desejo de se tornarem revendedoras em todo o Brasil. Com a plataforma Academia de Mulheres conseguiremos implementar o projeto” comenta Gilson Rodrigues.

Tatiane Cruz, CEO da Academia de Revendedoras, pontua que a diferença é que se antes as mulheres apenas vendiam produtos de porta em porta, elas agora serão treinadas para atuar no digital. “A gente treina elas com marketing digital e empreendedorismo, e financia o estoque inicial de produtos”, explica.

Ela destaca ainda que como muitas mulheres estão em situação de vulnerabilidade social e não têm acesso à internet, computador ou celular, o projeto doa um tablet para que elas possam realizar as vendas online.

VEJA: Nina Silva: Movimento Black Money e Credicard lançam cartão em apoio à causa antirracista

“A gente entende que, agora, com a retomada da economia, estamos no melhor momento, a favela não é só carente, não pedimos só doação ou ajuda para cestas básicas, somos potentes também, por isso foi criado esse hub de inovações. E se tratando de vendas, área muito desvalorizada ainda no Brasil, queremos mostrar que as mulheres podem gerar a própria renda e transformar a própria história”, acrescenta.

A previsão é formar 380 mulheres nos próximos meses e em todo Brasil cerca de 2.500 em seis meses. “Queremos alcançar o máximo de mulheres no país”, diz Tatiane.

O G10 Favelas é formado pelas favelas de Paraisópolis (SP), Heliópolis (SP), Rocinha (RJ), Rio das Pedras (RJ), Cidade de Deus (AM), Baixadas da Condor (PA), Baixadas da Estrada Nova Jarunas (PA), Casa Amarela (PE), Coroadinho (MA) e Sol Nascente (DF) que uniram forças em prol do desenvolvimento econômico e social dessas áreas urbanas.

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter