Assine nossa newsletter

Velho volta a ser novo para jovens fashionistas do aplicativo Depop

Milhões de adolescentes de vinte e poucos anos recorrem ao app para comprar e vender sapatos e acessórios vintage
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Se encontrar usos novos para coisas velhas é um dos princípios centrais de um negócio sustentável, alguns jovens influenciadores estão cacifando a ideia ao dar uma nova vida a modas passadas.

Milhões de adolescentes e jovens de vinte e poucos anos recorrem a um aplicativo chamado Depop para comprar e vender sapatos e acessórios vintage ou uma velha camiseta de banda que acumula pó no fundo de um armário.

OLHA SÓ: Nina Silva: Movimento Black Money e Credicard lançam cartão em apoio à causa antirracista

Alguns estão se despojando de coisas velhas. Outros compram em brechós para criar inventários. Ao comprar e vender roupas de segunda mão, eles estão ajudando a alimentar uma disparada em um canto do mercado do varejo global que está em voga.

“Se você tem um estilo, pode encontrá-lo com um preço ótimo de qualquer década, e isso lhe dá a capacidade de fazer seu próprio traje”, disse a analista de varejo Mary Epner. “E é isso que a geração jovem, a geração Z e os millenials, querem fazer”.

Um par de jeans da Goodwill dos anos 1990 pode custar poucos dólares, mas estas compras se somam. Estima-se que o mercado norte-americano de roupas de segunda mão dobrará para 77 bilhões de dólares dentro de cinco anos, crescendo muito mais rápido do que outros setores do varejo, de acordo com o brechó virtual ThredUp.

Com dez anos de existência, o Depop é hoje uma subsidiária da Etsy e se considera um “ecossistema de moda” progressista e diversificado, além de se gabar de ter mais de 30 milhões de usuários registrados, quase todos de menos de 26 anos.

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter