Assine nossa newsletter

Pesquisa mostra que empreendedorismo ajudou 48% das mulheres a saírem de relacionamentos abusivos

Levantamento do Instituto e Rede Mulher Empreendedora também comprovou que negócios comandados por elas tendem a contratar mais mão de obra feminina
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
34% das entrevistadas sofreram algum tipo de agressão conjugal (Via: LinkedIn Sales Solution/Unsplash)

No Brasil, 25 mulheres são alvo de violência doméstica a cada minuto, segundo dados de 2020 do Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec). Destas, 48% encontram no empreendedorismo uma saída para o relacionamento abusivo. É o que mostra a  6ª edição da pesquisa anual do Instituto e Rede Mulher Empreendedora (IRME) em parceria com o instituto de pesquisa Locomotiva. 

O levantamento mostrou que 34% das entrevistadas sofreram algum tipo de agressão conjugal, seja ela física ou verbal. Nesse cenário, a independência financeira conquistada graças a empreendimentos pessoais foi decisiva para uma mudança de rumo, como explica Ana Fontes, fundadora do movimento de apoio ao empreendedorismo feminino. “As mulheres se sentem mais confiantes e seguras quando têm uma geração de renda própria”, diz. 

LEIA MAIS: Muito além da imagem: 8 celebridades brasileiras que possuem cargos executivos em grandes empresas

Esse sentimento é compartilhado pelas próprias empreendedoras. Segundo o relatório, 81% das mulheres ouvidas concordam que o empreendedorismo traz mais autonomia para a vida pessoal e profissional.

Empreendimentos femininos tiveram “boom” na pandemia

A pesquisa também mostrou que a pandemia foi uma importante protagonista no incentivo ao empreendedorismo feminino. Cerca de 26% das mulheres consultadas abriram seu negócio durante o último ano. O motivo, no entanto, passa longe da autoconfiança. Nesse caso, as principais justificativas foram o desemprego e a falta de renda. 

Em paralelo, o isolamento social foi visto como um obstáculo. Quase 54% das empreendedoras relataram dificuldade para crescer nesse período. Outras 50% afirmaram que o fechamento das escolas impactou negativamente a produção e a rotina de trabalho. 

Mulheres que ajudam mulheres

Outro fator de destaque é o desenvolvimento do “círculo virtuoso da empreendedora”. O termo é usado por Ana Fontes para se referir aos efeitos benéficos de ter uma empreendedora na família e na comunidade. Ela explica que o conceito se baseia na ideia de que o ganho econômico desses negócios serão investidos na educação dos filhos e no bem-estar dos parentes, potencializando essas pessoas para o futuro. 

Além disso, mulheres de negócios tendem a contratar mais mulheres como funcionárias, aumentando as possibilidades para o grupo. Nesse aspecto, a pesquisa mostrou que sete em cada 10 empreendedoras possuem uma mulher como sócia. E, enquanto os empreendimentos liderados por homens possuem 21% do quadro de colaboradores composto por mulheres, os empreendimentos comandados por elas registram 73% .“Muitas mulheres não reconhecem que seus negócios, ainda que pequenos, fazem parte de um ecossistema potente que gera muita riqueza”, comenta Ana.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter