Assine nossa newsletter

Ações europeias fecham abaixo de máxima recorde com perdas de mineradoras compensando rali da tecnologia

As ações de tecnologia saltaram 1,3% depois que seus pares de Wall Street avançaram na véspera
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

As ações europeias fecharam estáveis nesta terça-feira (25), com um acordo imobiliário alemão de bilhões de dólares e um rali nas ações de tecnologia sendo compensados por perdas em importantes empresas de mineração devido a preocupações com os mercados chineses.

O índice FTSEurofirst 300 terminou estável, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,03%, a 445,20 pontos, depois de atingir uma máxima recorde de 447,15 mais cedo.

O DAX, da Alemanha, teve alta de 0,2%, depois de atingir um pico recorde anteriormente, impulsionado pela notícia de que o maior grupo imobiliário residencial da Europa, Vonovia, concordou em adquirir seu rival Deutsche Wohnen por cerca de 18 bilhões de euros.

As ações de tecnologia saltaram 1,3% depois que seus pares de Wall Street avançaram na véspera, em meio a nova insistência das autoridades do Federal Reserve de que a política monetária expansionista será mantida.

OLHA SÓ: Com aval de NY, índice fecha em alta e se aproxima de máxima histórica

As mineradoras ficaram atrás de seus pares europeus, com perda de 1,7%, já que a China disse que fortalecerá os controles de preços sobre as principais commodities, após alertar contra a especulação para esfriar um forte rali nos preços das commodities industriais.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,31%, a 7.029,79 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,18%, a 15.465,09 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,28%, a 6.390,27 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,01%, a 24.892,90 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,03%, a 9.208,70 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,20%, a 5.211,13 pontos.

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter