Com crise hídrica, conta de luz terá bandeira vermelha nível 2 em junho, a mais cara

Nível dos reservatórios das principais hidrelétricas é o mais baixo desde 2015 e exige maior uso de termelétricas, encarecendo conta de luz
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

As contas de luz no Brasil ficarão mais caras em junho, com o acionamento da chamada bandeira tarifária vermelha nível 2, a mais custosa prevista no mecanismo que gera cobranças adicionais quando a oferta de energia no sistema é menor, em meio a uma crise hidrológica histórica no país.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou em comunicado nesta sexta-feira que a mudança na bandeira, que em maio foi vermelha nível 1, deve-se ao início do próximo mês com os principais reservatórios hidrelétricos “em níveis mais baixos para essa época do ano”.

Na quinta-feira, o governo alertou sobre “emergência hídrica” de junho a setembro em 5 Estados, após o período de setembro a maio ter registrado as piores chuvas em 91 anos nas área das hidrelétricas.

O presidente Jair Bolsonaro chegou a abordar a situação de escassez de chuvas em conversa com apoiadores nesta sexta-feira.

OLHA SÓ: Campos Neto diz que câmbio reagiu a melhora fiscal e que BC fará “o que for preciso” para cumprir meta de inflação

“Estamos vivendo uma das maiores crises energéticas do país, crise hidrológica, tem problema”, disse ele, ao comentar que tem preocupações sobre o impacto na geração de energia.

O governo criou neste mês uma “sala de situação” com membros de diversos ministérios para acompanhar a questão da oferta de eletricidade.

A bandeira tarifária vermelha nível 2 gera custo adicional na conta de luz de 6,243 reais para cada 100kWh consumidos, segundo a Aneel.

Analistas projetam que as cobranças adicionais com a bandeira tarifária devem se manter até o final do ano devido ao quadro climático, que já gera inclusive alerta entre especialistas, que começaram a calcular riscos de suprimento, sob avaliação de que será preciso flexibilizar restrições à operação de algumas hidrelétricas para garantir a oferta.

O Ministério de Minas e Energia disse nesta sexta-feira que “a situação atual é desafiadora” devido aos baixos níveis das represas e que o foco dos trabalhos do governo no momento “é manter o máximo possível de água nos reservatórios.”

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: