Marca de moda Chanel investe US $ 25 milhões em novo fundo de adaptação climática

Dinheiro será investido em investir em projetos que promovam a agricultura sustentável, protejam florestas e apoiem pequenos agricultores em países em desenvolvimento
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

A casa de moda francesa Chanel está apoiando um novo fundo de adaptação climática que visa arrecadar US$ 100 milhões até 2025 para investir em projetos que promovam a agricultura sustentável, protejam florestas e apoiem pequenos agricultores em países em desenvolvimento.

A Landscape Resilience Fund (LRF) foi desenvolvida pelo grupo verde WWF e a empresa social com sede na Suíça South Pole e está começando com US$ 25 milhões da marca de luxo Chanel e US$ 1,3 milhão da Global Environment Facility.

OLHA SÓ: Principais notícias do mercado para essa quinta-feira

Uma organização sem fins lucrativos independente, a LRF visa atrair mais cinco a dez investidores adicionais para ajudar a financiar pequenas empresas e projetos que promovam práticas agrícolas e florestais resilientes ao clima e protejam os sistemas naturais.

Martin Stadelmann, diretor sênior da South Pole, que administrará a LRF, disse que esse foi um caminho  pioneiro de uma grande empresa multinacional investir na adaptação às mudanças climáticas.

“Assim como com outras empresas, algumas de suas cadeias de suprimentos estão ameaçadas por causa das mudanças climáticas”, disse ele à Thomson Reuters Foundation.

Um milhão de espécies de animais e plantas estão em risco de extinção devido à busca incessante pelo crescimento econômico, alertaram cientistas em um relatório histórico de 2019 sobre o impacto devastador da civilização moderna no mundo natural.

Os ambientalistas culpam amplamente a produção de commodities como óleo de palma, carne bovina e minerais pela destruição das florestas, à medida que são desmatadas para plantações, fazendas e minas.

O desmatamento de florestas tem implicações importantes para os objetivos globais de conter as mudanças climáticas, já que as árvores absorvem cerca de um terço das emissões que causam o aquecimento do planeta, produzidas no mundo todo, mas liberam carbono de volta ao ar quando apodrecem ou são queimadas.

As florestas também fornecem alimentos e meios de subsistência e são um habitat essencial para a vida selvagem.

E AINDA: Dólar recua ante real em linha com exterior após dados de inflação dos EUA

Melhor conservação, restauração e gestão de áreas naturais, como parques, florestas e áreas silvestres, são vistas como a chave para as nações cumprirem as metas de reduzir as emissões que aquecem o planeta e reverter a perda de espécies vegetais e animais.

Os gastos globais anuais para proteger e restaurar a natureza na terra precisam triplicar nesta década para cerca de US$ 350 bilhões, disse um relatório da ONU em maio, pedindo uma mudança de mentalidade entre financiadores, empresas e governos.

Atualmente, apenas cerca de 5% do financiamento climático total vai para a adaptação a um planeta mais quente, com a maior parte vindo de fundos públicos, disseram as autoridades da South Pole.

“O fundo realmente visa o ‘meio ausente’, onde atualmente não há financiamento comercial”, disse Urs Dieterich, gerente de fundos da South Pole e diretor administrativo da LRF.

O fundo fornecerá empréstimos baratos e assistência técnica para pequenas empresas que trabalham com pequenos proprietários em paisagens vulneráveis ​​-como produtores de cacau ou café- e os ajudará a acessar melhores insumos agrícolas, como sementes resistentes à seca, bem como treinamento e finança.

Os empréstimos ​​serão reinvestidos em outras pequenas empresas que trabalham na adaptação climática.

Os projetos podem se inscrever para financiamento de forma online ou entrar em contato com a LRF diretamente. Os candidatos serão avaliados quanto à exposição às mudanças climáticas e aos planos de adaptação. Seu progresso será monitorado pela equipe local e publicado em relatórios anuais, disseram funcionários do fundo.

“Nunca houve um momento mais crítico para o setor privado se intensificar e ajudar a fechar a lacuna de investimento necessária para uma adaptação climática eficaz”, disse Andrea d’Avack, diretora de sustentabilidade da Chanel, em um comunicado.

O LRF oferece a oportunidade de “explorar diferentes abordagens que podem ajudar a promover mudanças em nossa própria cadeia de suprimentos e práticas de negócios”, acrescentou d’Avack.

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: