VTEX dispara em IPO nos EUA

Grupo brasileiro prevê que a América Latina será líder nas próximas etapas do comércio eletrônico
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

A VTEX chegou a disparar mais de 30% em sua estreia na Bolsa de Nova York hoje (21), com o grupo brasileiro prevendo que a América Latina será líder nas próximas etapas do comércio eletrônico, como live commerce e vendas por meio de canais de mensageria, como o WhatsApp.

“As vendas por canais de mensagem e live commerce vão acelerar antes na América Latina”, disse à Reuters o cofundador e co-presidente-executivo da companhia, Geraldo Thomaz, em entrevista por telefone.

OLHA SÓ: IPO da Multilaser sai a R$ 11,10 por ação

Grandes markeplaces no Brasil, incluindo Magazine Luiza e Americanas já vêm expandindo iniciativas de live commerce, no qual consumidores interagem ao vivo com vendedores, comprando durante as transmissões.

Mais recente empresa brasileira a acessar as bolsas dos EUA, após nomes como XP, PagSeguro e Stone, a VTEX foi precificada a US$ 19 por ação, acima da faixa estimada no IPO, de US$ 15 a US$ 17, levantando US$ 361 milhões.

Isso lhe deu uma avaliação de US$ 4,7 bilhões, e subia ainda mais nesta quarta-feira, com a ação avançando 24% às 14h40 (horário de Brasília), para US$ 23,60, após ter chegado a subir mais de 30%.

Segundo Thomaz, mesmo após um salto provocado pelos efeitos da pandemia da Covid-19, a América Latina ainda tem uma baixa penetração do comércio eletrônico e a VTEX deve ter na região o foco de seu crescimento nos próximos anos, embora já esteja abrindo mais escritórios na Europa e nos EUA.

Fundada no ano 2000, a VTEX ajuda empresas a executarem estratégias de comércio digital ao montar lojas online e tem clientes em mais de 30 países, incluindo Sony, Nestlé e McDonald’s. Por meio de sua plataforma, clientes venderam quase US$ 8 bilhões no ano passado.

E AINDA: Privalia suspende IPO

Thomaz indicou que, diferente da maioria dos IPOs recentes, a VTEX não tem como foco usar os recursos da captação para fazer grandes aquisições, nem para ampliar suas áreas de atuação.

“A grande estratégia nossa não é comprar empresas grandes”, disse o executivo. “Compramos muito poucas empresas durante nossa trajetória e não vamos mudar agora.”

Em vez disso, a empresa, que já tinha entre os investidores nomes como Softbank, Constellation e Gávea, planeja usar a listagem na Nyse como vitrine para captar talentos. Hoje, a VTEX tem cerca de 1,3 mil funcionários e ampliar a atuação para novas regiões.

“Temos times modestos na Europa e nos EUA, mas nossa ambição é global”, disse Thomaz. “Estamos plantando sementes de crescimento e espero que a listagem impulsione atração de talentos de alto nível.”

(com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: