Assine nossa newsletter

Dólar fecha em leve alta na primeira sessão de setembro

Moeda norte-americana vinha de sete quedas em oito sessões
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

O dólar fechou em leve alta frente ao real hoje (1°), primeira sessão de setembro, que começou com investidores dando uma pausa para avaliar um cenário que ainda contempla os mesmos fatores de risco dos últimos dias, situação fiscal/política interna e chance de corte de estímulos nos EUA.

O dólar à vista subiu 0,20%, a R$ 5,1826 na venda. Ao longo da jornada, variou entre R$ 5,1904 (+0,35%) e R$ 5,1424 (-0,58%).

LEIA MAIS: Pesquisa da Febraban aponta que carteira total de crédito deve crescer em 2021

A moeda vinha de sete quedas em oito sessões, período no qual recuou 4,62%.

O mercado reagiu de forma limitada aos números do PIB brasileiro do segundo trimestre, que mostrou contração numérica ante o trimestre imediatamente anterior, mas o risco é que nos próximos dias as revisões de baixa nas estimativas econômicas ganhem força e afetem a atratividade do real como ativo para investimento.

Ainda hoje, o Credit Suisse baixou os prognósticos para o PIB deste ano e do próximo.

No curtíssimo prazo, operadores vão monitorar os dados de auxílio-desemprego norte-americano, na quinta, e números do relatório mensal de empregos nos EUA, na sexta.

VEJA MAIS: IPC-S desacelera alta a 0,71% em agosto

Hoje, dados do mercado de trabalho privado nos Estados Unidos vieram bem mais fracos que o esperado e derrubaram o dólar no exterior a mínimas em várias semanas. O mercado avalia que uma nova leva de indicadores aquém do esperado deve fortalecer visões de que os EUA manterão em curso estímulos monetários de bilhões de dólares até o fim do ano, o que evitaria redução de liquidez e limitaria qualquer alta do dólar.

Aqui, a moeda está em uma zona de suportes que precisariam ser rompidos antes de novas quedas, especialmente após a série recente de perdas.

Na véspera, o dólar futuro de primeiro vencimento se aproximou de um nível (R$ 5,1375) em torno de 61,8% (cerca de R$ 5,12) da alta entre a mínima de junho e a máxima de agosto, pela Retração de Fibonacci. Uma queda abaixo desse patamar poderia acionar ordens automáticas de vendas que abririam caminho para o dólar futuro descer à mínima de julho, perto de R$ 5,04. 

“O dólar fracassou na tentativa de superar as máximas de maio”, disse em relatório Karen Jones, do time de análise técnica no Commerzbank.

“Uma queda abaixo da taxa de 5,0408 reais do fim de julho colocaria a mínima de junho de 4,8932 reais de volta à mesa”, completou.

(Com Reuters)

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL Newsletter

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter