Assine nossa newsletter

Nina Silva: Transformação Digital é o novo pilar de sustentação de qualquer negócio

Processo é capaz de impulsionar e conferir poder competitivo para novas e pequenas empresas
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Nina Silva: Transformação Digital é o novo pilar de sustentação de qualquer negócio
A Transformação Digital faz parte de um processo que é chamado de progresso tecnológico

Você já ouviu falar sobre TD (Transformação Digital)? 

Há quem pense que a Transformação Digital trata-se de um esforço de TI ou que envolve melhorar a experiência do cliente e utilizar automatização de marketing. Contudo, é muito mais que isso. Ela se tornou a mais poderosa aliada de qualquer empresa, gerando uma grande mudança em todos os processos digitais.

Seu uso atrelado ao relacionamento com clientes está mais ligado à maneira como a empresa se organiza e opera, do que a forma como ela se comunica. Aqui, vale lembrar que seu produto pode até não ser do meio tecnológico e você pode não comercializar aplicativos, mas tenha a certeza de que sua empresa é conhecida, reconhecida, comunicada e julgada por meio da tecnologia e de indivíduos que fazem uso dela. Ou seja, todos os negócios precisam ser capazes de se conectar e colocar as pessoas no centro da operação. É isso ou ficarão para trás! 

OLHA SÓ: Movimento Black Money e Credicard lançam cartão em apoio à causa antirracista

No site do Movimento Black Money, explicamos que “Transformação Digital é um processo no qual as empresas fazem uso da tecnologia para melhorar o desempenho, aumentar o alcance e garantir resultados ótimos. É uma mudança estrutural nas organizações dando um papel essencial à tecnologia a serviço das pessoas”.

A Transformação Digital faz parte de um processo que é chamado de progresso tecnológico. São três fases principais, sendo a Transformação Digital a última:

Digitalização da Informação

É descrita como o processo de transição de informação analógica para uma forma digital. Em outras palavras, os dados são transformados em bits e armazenados em dispositivos eletrônicos. Indústrias inteiras se beneficiaram muito desse processo, pois ele tornou bem mais fácil guardar e proteger informações importantes e, por vezes, confidenciais.

Digitalização Tecnológica

A digitalização já é bem mais abrangente e consiste nas mudanças reais realizadas nas organizações por meio da tecnologia. Isso inclui alguns conceitos bem avançados, como Big Data, IoT (internet das coisas), blockchain, criptomoedas, entre outros.

Transformação Digital 

Ela é descrita no progresso tecnológico como “o efeito total e geral da digitalização na sociedade”. Isso quer dizer que com a digitalização em seu estado completo, novas oportunidades de mudança e evolução surgem para organizações de todos os tipos.

É o momento no qual nos deparamos com mudanças nas estruturas socioeconômicas, padrões organizacionais, barreiras culturais e até leis. É possível verificar o fenômeno em empresas e movimentos como EQL, iFood, Airbnb, Quinto Andar, Lady Drive, D`BlackBank e Pride Bank. Desta forma, podemos dizer que a digitalização é a conversão, é o processo e a Transformação Digital, o efeito em si. 

Mas o que as empresas mencionadas têm em comum?

Modelo de negócio 

Além de afetar a maneira de fazer a gestão das empresas, a estratégia de Transformação Digital muda o modelo de negócios. Segundo a Coleman Parkes Research, “a ransformação digital tem impulsionado, em média, 37% do crescimento de receita advinda de novos negócios –em sua maioria devido à combinação de novas tecnologias digitais e melhoria da oferta”.

E AINDA: 6 principais achados da Pesquisa Afroempreendedorismo Brasil

Mais de 76% de empresas informaram ter melhorado a capacidade de atingir seus clientes (alcance digital) e 69% relataram melhora no diferencial competitivo. Esse modelo ganha novos contornos quando são incluídas as possibilidades do mundo digital. A sociedade, que está infiltrada na evolução da tecnologia, espera que as empresas mudem a forma de oferecer experiências. 

Então, se de forma geral a sociedade é fortemente afetada pela evolução da tecnologia, como podemos mudar a forma de fazer negócios? Defendo que essa  inovação não é reagir a um erro de mercado, mas sim inserir o que existe de novo no nosso negócio.

Era dos pequenos

O fundador da Samba Tech, Gustavo Caetano, frisa a importância de observar o presente nos negócios. Isso porque, hoje, as transformações acontecem muito rápido e as empresas devem estar preparadas para as mudanças. “Nós não conseguimos prever o futuro, porque geralmente prevemos o futuro com base no passado, mas precisamos analisar o presente”, afirma.

A informação está disponível em qualquer lugar, o que faz com que a competição se amplie. “A incerteza agora é muito maior, porque é muito mais difícil conseguir prever o futuro”, completou. Deste modo, na visão dele, pela primeira vez, o pequeno passa a ter vez contra o grande.

O que temos que ter sempre em mente ao empreender?

  • Ampliação de produtos e serviços: criar recursos digitais para expandir a utilidade de um produto ou serviço físico é algo comum e bem eficiente; 
  • Transição do físico para o digital: lojas físicas que fecham as portas para dar lugar ao e-commerce são exemplos perfeitos dessa transição; 
  • Produtos digitais desde a concepção: empresas SaaS, apps e fintechs são alguns dos produtos e serviços que já nascem digitais; 
  • Serviços compartilhados: hoje em dia, existem serviços de carona compartilhada, aluguel de espaços, e isso exige uma integração imensa entre o digital e o físico.

Porém, para alguns, essa mudança pode ser um grande pesadelo. Como para o sindicato dos taxistas, para as redes de hotéis, para os grandes bancos.Ou seja, precisamos pensar como nossos empregos e negócios podem ser impactados tecnologicamente e em quais pontos será preciso trabalhar, seja desenvolvendo novas habilidades ou oferecendo uma experiência totalmente digital.

Nina Silva é empresária, escritora, mentora de negócios, palestrante e colunista da MIT Sloan Review e UOL Economia. Enquanto empresária, Nina é CEO e uma das fundadoras do Movimento Black Money e D’Black Bank

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editora

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL Newsletter

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter