Assine nossa newsletter

99 usa inteligência artificial para prevenir assédio a passageiras do aplicativo

Tecnologias identificam, no aplicativo, situações de maior vulnerabilidade e direcionam a chamada para uma motorista mulher ou um condutor melhor avaliado
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Um levantamento realizado pela 99, empresa de tecnologia ligada à mobilidade, constatou que com a pandemia da Covid-19 usuários da Classe C começaram a usar o app de transporte com mais frequência, sendo 73% mulheres.

Para prevenir assédio a passageiras do aplicativo, a plataforma criou novas inteligências artificiais (IA) para identificar passageiras em situação de maior risco de assédio. Nessa situação, o app só envia motoristas mulheres para as clientes ou os condutores mais bem avaliados. Chamadas de Pítia e Atena, as tecnologias têm caráter preventivo e atuam juntas para aumentar a segurança das passageiras do app.

VEJA: Startup contrata apenas mulheres e mães representam 95% da equipe

Segundo a 99, a Pítia atua mapeando corridas solicitadas por mulheres em situações identificadas como de maior vulnerabilidade, como viagens à noite, mais longas, chamadas por terceiros, ou partindo de regiões com bares e casas noturnas e direciona a corrida para motoristas como melhor qualidade de atendimento ou motoristas mulheres.

Enquanto isso, Atena oferece uma camada de conscientização, enviando vídeos e textos aos motoristas antes do embarque das passageiras. O objetivo é orientar sobre a importância de manter o profissionalismo e o respeito, além de oferecer dicas de como agir. Em quatro meses de testes, Pítia diminuiu em 45% o número de assédio contra passageiras. Já Atena reduziu os casos em 17% em apenas uma semana.

Outra inteligência artificial lançada pela 99 é uma rastreadora de comentários chamada Ártemis. O objetivo é identificar automaticamente situações de assédio deixadas nos comentários após as corridas, banindo agressores e direcionando atendimento humanizado às vítimas.

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter