Assine nossa newsletter

Mulheres representam menos de 26% no mercado de trabalho tecnológico do Brasil

Mesmo sendo quase metade do número de trabalhadores formais do país, público feminino ainda é minoria nas áreas de STEM
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

As mulheres representam menos de 26% no mercado de STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, de acordo com a sigla em inglês), enquanto são quase metade (45%) do total de trabalhadores formais no Brasil. A informação é do levantamento financiado pelo International Development Research Centre (IDRC).

No entanto, esta não é uma característica única do Brasil. Nos Estados Unidos, mulheres são 47% do total dos trabalhadores, mas apenas 24% atuam em áreas tecnológicas. No Brasil, o contraste impressiona, já que 2,8% de todos os trabalhadores do país atuam no ramo de STEM, segundo os últimos dados de 2019.

LEIA MAIS: Sea, dona do Shopee, garante US$ 6 bilhões em captação de recursos

“Muito se fala, atualmente, em ciência, pesquisa e tecnologia como áreas do futuro, mas pouco se investe nisso no Brasil. É baixa a quantidade de trabalhadores, e, principalmente, de mulheres ingressando nessas áreas”, declarou Laísa Ratcher, uma das coordenadoras do levantamento, em entrevista ao Valor Econômico.

O estudo também mostra um padrão dentro da área de STEM, composta em sua maioria por homens brancos com alto nível de escolaridade. Mesmo que nos últimos anos a participação feminina no mercado de trabalho tenha crescido, dentro de áreas tecnológicas apenas o número de homens continua evoluindo. A proporção é de três homens para cada mulher dentro destes setores. 

“São duas barreiras, uma que começa cedo e outras que vão surgindo ao longo da carreira. Poucas meninas ingressam no campo científico e tecnológico por causa de normais sociais que afetam o interesse e confiança delas nessas disciplinas. Para a formação e carreira profissional em STEM, é baixa a perspectiva de projeção, porque quando elas olham,não veem muitas mulheres trabalhando nessas ocupações e como modelos de referência”, diz Laísa sobre o assunto.

VEJA TAMBÉM: Mulheres indígenas seguem mobilizadas contra Marco Temporal

Além do recorte de gênero, também é necessário observar uma desigualdade racial nesse ramo do mercado: apenas 30% dos trabalhadores de STEM são negros. No mercado de trabalho em geral, a população negra representa 45%. 

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL Newsletter

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter