Assine nossa newsletter

Rio de Janeiro vai distribuir absorventes para alunas da rede municipal

Investimento de R$ 14 milhões vai atender cerca de 100 mil meninas por ano
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

A prefeitura do Rio de Janeiro lançou nesta quarta-feira (13) o programa Livres para Estudar, que vai fornecer gratuitamente 8 milhões de absorventes por ano para estudantes da rede municipal a fim de ajudar a combater a evasão escolar. O investimento será de R$ 14 milhões por ano e a expectativa é que o programa alcance aproximadamente 100 mil alunas.

A distribuição começará a ser feita a partir da próxima segunda-feira (18), quando terá início a nova fase do ensino presencial, em que 100% dos alunos poderão ir todos os dias para a escola.

OLHA SÓ: 6 lições sobre investimentos que podemos aprender em Round 6

O programa visa a diminuir o índice de evasão entre as alunas do Ensino Fundamental 2 que têm, em média, entre 11 e 14 anos. Segundo a prefeitura, uma entre cada quatro jovens já faltou às aulas por não ter absorventes. Cerca de 43 mil alunas cariocas já deixaram de ir para a escola devido à pobreza menstrual.

Durante o lançamento do programa na Escola Municipal Vicente Licinio Cardoso, na Praça Mauá, na região central da cidade, o prefeito Eduardo Paes disse que a escola é o espaço em que o Poder Público alcança as pessoas que mais precisam.

“Temos que superar esses tabus, menstruação é algo normal, acontece com todas as mulheres. Defendemos a dignidade de gênero, temos que preservar e proteger as nossas meninas, esse é o objetivo da prefeitura. Vamos distribuir absorventes para todas as nossas meninas do segundo segmento da rede pública municipal, que é a maior da América Latina. Que alegria poder colocar o Rio, mais uma vez, na vanguarda”, disse.

O projeto conta com a parceria do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, da Comissão da Mulher da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e dos grupos Girl Up e Elas na Escola.

“Não pode ser normal que uma menina deixe de ir pra escola simplesmente por não conseguir comprar um absorvente. O que estamos fazendo aqui é dar o mínimo, dar dignidade para nossas alunas estudarem decentemente e não largarem a escola”, afirmou o secretário de Educação, Renan Ferreirinha.

(Com Agência Brasil)

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter