Assine nossa newsletter

Investidora cria plataforma para combater desperdício de alimentos

Heloisa Guarita quer captar recursos para apostar em soluções inovadoras para novas formas de produzir e consumir
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Ao mesmo tempo que a fome castiga mais de 690 milhões de pessoas no mundo, o desperdício de comida atinge níveis extremos. Só em 2019, 931 milhões de toneladas de alimentos foram jogadas fora, o equivalente a 17% do total disponível aos consumidores, segundo a mais recente edição do Índice de Desperdício de Alimentos, publicado pela Organização das Nações Unidas. Segundo a entidade, essa quantidade seria suficiente para encher 23 milhões de caminhões de 40 toneladas e enfileirá-los sete vezes ao redor da Terra.

Essa quantidade se refere apenas às sobras alimentares nos pontos de venda, restaurantes e residências. Se a contagem incluir também as etapas de produção, pós-colheita, armazenamento e transporte em âmbito mundial, o volume aumenta para 1,3 bilhão de toneladas. A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO-ONU) calcula que esses alimentos seriam suficientes para alimentar 2 bilhões de pessoas.

OLHA SÓ: Descubra o que as investidoras Camila Farani, Flávia Mello e Adriana Flores querem saber antes de apostar num negócio

Para atingir esse objetivo, a nutricionista Heloisa Guarita, que tem 20 anos de atuação no desenvolvimento de soluções e inovações para as cadeias produtivas de alimentos, está desenvolvendo uma plataforma de investimento para startups voltadas à diminuição e controle do desperdício. 

“O alimento é minha paixão. A indústria trouxe a possibilidade de alimentar a população e há quem diga que a produção tem que continuar crescendo para alimentar todo mundo. No entanto, um terço é desperdiçado, então não faz sentido. Não é preciso produzir mais, mas rever a cadeia e buscar soluções para o desperdício”, diz. Segundo ela, o momento de criar novas formas de produzir e consumir é agora. 

A nutricionista tornou-se empreendedora ao fundar a RGNutri há duas décadas, consultoria e desenvolvedora de soluções para a indústria alimentícia. “Sempre tive um pé na inovação, estratégias e evolução. A RG busca direcionar o olhar para quem está de fora da produção e trazer o do consumidor, conectado com a ciência e a nutrição”, explica. 

O negócio fez sucesso e conquistou gigantes da indústria, como Bauducco, Quaker, Piracanjuba, BRF e Tirolez. “Foi quando entendi os sistemas alimentares, pude ver como muita coisa funciona. É um assunto complexo, cheio de movimentos e etapas”, diz a empresária. “Nossa razão principal sempre foi o consumidor, então pensamos em como inovar e fazer parcerias com clientes com esse olhar estratégico.” 

E é com estratégia, inovação e conhecimento que Heloisa está embarcando no mundo dos investimentos em startups, trazendo a bordo sua principal paixão: os alimentos e sua valorização. “Há alguns anos venho investindo em startups e empreendimentos que contribuam para o sistema alimentar, com soluções para o problema do desperdício nas cadeias produtivas”, conta. Na sua visão, a indústria se empenhou muito no aumento da produção e agora está na hora de repensar esse modelo.

“Por que um tomate que está um pouco menor do que os demais é jogado fora antes de ser transportado? O consumidor final pode até não querer usá-lo em sua casa, mas ele pode ser aproveitado para fazer molhos, por exemplo, em uma empresa que trabalha com isso”, diz, enfatizando a necessidade de ressignificar a forma de produzir e os hábitos alimentares, tanto em casa, quanto no varejo e nos restaurantes. 

E AINDA: À frente das healthtechs, mulheres têm papel essencial na busca pela democratização do tratamento psicológico no Brasil

“Para quem joga fora, esse alimento não traz nenhum ganho, mas tem muitas oportunidades financeiras e comerciais nesse processo. Isso se aplica para todos os frutos e legumes imperfeitos. É preciso repensar a cara da comida.”

Assim, o próximo passo de Heloisa com a RGNutri é desenvolver uma plataforma de mobilização sobre desperdício para acelerar as mudanças necessárias no ecossistema de produção de alimentos. “A ideia é criar conexões entre especialistas no assunto e investidores para atingir o maior número de pessoas e recursos em busca de soluções inovadoras e disruptivas.”

Para a empresária, existe uma movimentação dos investidores e consumidores pela busca por produtos menos danosos ao planeta, não só pensando no desperdício, mas em todos os aspectos sociais. “A pandemia e essa pausa provocada por ela aceleraram a questão do ser humano frente ao seu papel no planeta, nos obrigou a repensar o que consumimos, de quem consumimos e o impacto que isso causa. Quando pensamos em grande escala, a cobrança por essas mudanças vem de movimentos globais em nome do clima e da saúde, algo que também influencia o investidor. Isso se tornou um critério importante das bolsas de valores e os investidores passaram a cobrar a indústria. E ela precisa dar uma resposta.”

Para a empreendedora, a partir do momento que o topo da indústria passa a ser cobrado e obrigado a encontrar soluções sustentáveis, isso reverbera de forma geral. “Muda a cadeia de valor da produção e isso é comunicado de muitas formas para o consumidor, o que leva a sociedade a ter mais clareza da importância dessas mudanças e de estar atento a esse tipo de processo produtivo.” 

É por isso que, além da plataforma, Heloisa criou em sua empresa um hub de inovação e aposta em startups voltadas à valorização e combate ao desperdício de alimentos. “Comunicar esse movimento também é importante”, diz. 

Entre as suas opções de investimento, Heloisa conta que tem uma certa preferência por empresas com foco no desenvolvimentos plant-based (à base de plantas), ou seja, alimentos 100% vegetais. E isso não por acreditar que a proteína animal vai deixar de existir, mas porque a proteína vegetal é um caminho que propõe a reutilização de alimentos e uma mudança alimentar. 

A investidora também aposta em startups preocupadas com toda a cadeia produtiva e foco na valorização do produtor, como a duLocal, iniciativa que une pequenos fornecedores do campo a cozinheiras de Paraisópolis, comunidade na extrema zona sul de São Paulo, com o objetivo de gerar emprego e renda local. Outro de seus investimentos é na startup Biozer da Amazônia, voltada a produtos naturais – incluindo alimentos funcionais – feitos pelos povos da região como forma de gerar empregabilidade e diversificar o prato do consumidor. 

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL Newsletter

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter